Artes Visuais + Infos

Artes Visuais

VIRADA BALLROOM

O Coletivo AMEM traz para a Virada uma mostra multilinguagem, com performances de música, voguing, circo, drag, pole dance, poesia, fotografia, live painting e outras criações produzidas por artistas da comunidade queer - uma potente ferramenta de engajamento comunitário que promove entretenimento, empoderamento, acolhimento e exaltação de corpos dissidentes trans, negres, latines e soropositives. A programação ocupa espaços físicos e virtuais e será transmitida via YouTube e também projetada nos prédios da região do Largo do Arouche.

Artista/Coletivo: Coletivo AMEM

Local: Penha, Perus, Freguesia do Ó, Jabaquara e Largo do Arouche

Data: 12.12

Horário: 18h30

VIRADA NO AROUCHE

Concebida pelo coletivo A3 (Fernando Ruiz + Nivaldo Godoy Jr. + Panais Bouki), a "Virada no Arouche" contará com uma intervenção urbana de totens fotográficos espalhados ao ar livre no LArgo do Arouche e projeções feitas do Estúdio Esponja com interferências visuais do coletivo Projetemos, cobrindo parte da história do movimento LGBTQIA+ no Brasil pelas fotos do carioca Pedro Stephan.

Artista/Coletivo: Coletivo A3

Local: Largo do Arouche

Data: 12.12

Horário: 18h

JAPONÉSIA, DE NAOKI ISHIKAWA

#JHSPOnline // Encontros mediados com o Educativo Nesse encontro, vamos reconhecer elementos e temas presentes no trabalho do fotógrafo Naoki Ishikawa por meio de um olhar mais atento para algumas das fotografias presentes na exposição "Japonésia". Não é necessário ter visitado a exposição para participar. O encontro será realizado pela plataforma Zoom. O link para a participação estará disponível nas redes sociais e no site da Japan House São Paulo.

Artista/Coletivo: Naoki Ishikawa

Local: Japan House

Data: 12.12

Horário: 14h

RASCKO INTERVENÇÃO VISUAL

Nessa exposição de artes visuais, Gustavo Rasquinho se apresenta artisticamente como Rascko. Nascido em Parelheiros, seu trabalho se mescla com colagens, tanto manuais quanto digitais. Junto com essa técnica, mistura variadas tintas e materiais, como spray, carvão e canetas, entre outros. Além de expor suas obras, o artista irá realizar uma intervenção em uma das paredes do equipamento, interagindo com o público virtual, para que possam acompanhar todo o processo criativo e técnico, do início ao fim da intervenção.
Será feito um live paint na Casa de Cultura e uma breve exposição de obras do artista.

Artista/Coletivo: Rascko

Local: Casa de Cultura de Parelheiros

Data: 12.12

Horário: 18h

MOBILIÁRIOS URBANOS

O artista propõe fazer uma intervenção de grafite que remete às características do território, utilizando mobiliários urbanos (equipamentos e objetos instalados em espaços públicos disponíveis para o uso da população ou suporte dos serviços da cidade) como suporte.

Artista/Coletivo: ArtistaPunk

Local: Casa de Cultura do Hip Hop Leste

Data: 12.12

Horário: 18h

PALLETS E MOBILIÁRIOS

O artista propõe fazer alguns mobiliários com pallets, atendendo às demandas da Casa de Cultura Hip Hop Leste e que poderão ser acessados pelos munícipes. Os pallets são bastante versáteis e podem ser usados para fazer uma série de objetos, como bancos, jardins verticais, decks e muito mais.

Artista/Coletivo: Arte Base Series

Local: Casa de Cultura do Hip Hop Leste

Data: 12.12

Horário: 18h

CARRO VERDE - INTERVENÇÃO VISUAL BIJARI

Exposição na porta da Casa de Cultura que poderá ser visitada sem a necessidade de adentrar os espaços do equipamento, possibilitando também a visitação no formato drive-in. Nas intervenções da série "Carro Verde", que vem sendo realizadas desde 2007, veículos abandonados nas ruas de São Paulo são transformados em jardins simbólicos, trincheiras verdes que brotam da lataria recortada de carros, caçambas e ônibus inutilizados, provocando a vertigem de uma outra cidade possível.

Artista/Coletivo: Coletivo Bijari

Local: Casa de Cultura Vila Guilherme - Casarão

Data: 12.12

Horário: 18h

PROJETO NA LATA

Projeto de arte digital urbana de rastreamento e visualização dos sentimentos dos habitantes de São Paulo em tempo real, “Sentimentos da Virada” utiliza animações do personagem Suadinho, do desenhista André Gola, para expressar as emoções dos habitantes de São Paulo. Os sentimentos são rastreados através de um sistema de reconhecimento facial no Instagram e de análise afetiva de textos no Twitter com geolocalização em São Paulo. As selfies/animações dos sentimentos correspondentes serão projetados em larga escala em edificações urbanas em três bairros da cidade durante a Virada Cultural.

Local: Al. Jaú 1874, CEU Inácio Monteiro, Rua Arthur Azevedo 985

Data: 12.12

Horário: 20h

MAR 360º

A partir do dia 12 de dezembro, será possível conferir uma parte significativa dos grafites que estão espalhados pela cidade de São Paulo sem sair de casa. Nomeado de MAR 360°, o projeto inédito do Museu de Arte de Rua (MAR), apresentará 40 murais. Eles poderão ser vistos em um verdadeiro tour virtual pelas mais variadas zonas e bairros da cidade, através de uma plataforma online que possibilita a visualização de um mapa personalizado, disponível em www.mar360.art.br. A iniciativa visa permitir que todos consigam andar pelos mais de 110 km que separam as artes, com velocidade e toda segurança que o momento atual nos pede. As obras escolhidas para estarem disponíveis nesse primeiro momento são todas de artistas respeitados, como Speto, Alexandre Orion e Mundano, entre tantos outros.

Data: 12.12

MELMANN

Arte Melmann G contempla e exalta a ancestralidade preta através da simbologia Yorubá. A Arte revela como o artista compreende o que é a religiosidade com uma expressão sensível do que foi nos deixado como herança.

Local: Centro de Culturas Negras

Data: 13.12

Horário: 11h

GRAFFITI MEMORIAL

Nesta intervenção de vivência artística e cultural, Da Lama e outras quatro artistas visuais irão se reunir e criar um grafite memorial em homenagem aos que perderam a vida devido à pandemia de 2020.

Artista/Coletivo: Da Lama

Local: Cohab 2 - Espaços Abertos - Casa de Cultura Raul Seixas

Data: 13.12

Horário: 18h

EXPOSIÇÃO - A LENDA DOS SEREIOS COM VALTER NU - INSTALAÇÃO ED ARTES EM ESPAÇOS VISÍVEIS DO PRÉDIO - ARTES PLÁSTICAS

A instalação apresenta esculturas de “Sereios” feitos em homenagem aos trabalhadores da construção civil que perderam suas vidas construindo pontes sobre rios e mares. As peças são confeccionadas com resíduos sólidos de sucatas de alumínio encontradas em computadores e sucata de cabos, conduítes e eletro eletrônicos.

Local: Casa de Cultura Itaim Paulista

Data: 13.12

Horário: 11h

PERUSFERIA GRAFFITI - HIP HOP

Dois integrantes do coletivo Perusferia Graffiti (Borgo e Guetus) irão grafitar as paredes internas e externas da Casa de Cultura Hip Hop Noroeste. Os artistas irão utilizar sua criatividade para dar um novo visual ao prédio, possibilitando o acompanhamento do processo artístico pelo público passante.

Local: Casa do Hip Hop Perus

Data: 13.12

Horário: 9h

MATRIARCAS QUILOMBOLAS - Biblioteca Cassiano Ricardo

Exposição que faz uma crítica ao apagamento histórico dos rostos das mulheres negras que lutaram contra a escravização no Brasil.
Se procurarmos na internet o rosto de Dandara, ele será o mesmo rosto de Aqualtune, Tereza de Benguela e todas as outras. No entanto, se procurarmos D. Pedro ou até mesmo a Princesa Isabel, encontraremos diversos quadros os retratando.
O apagamento histórico está presente em todas as questões referentes à negritude e há impactos também na autoestima do povo negro quando não conseguimos ver quem foram essas pessoas que vieram antes.
Serão convidadas 13 artistas que estarão vestidas como a imagem uniforme das mulheres negras de nosso passado. Enquanto a foto é exposta, um pequeno texto irá contar a história da matriarca em questão, concluindo com os dizeres “Eu também sou ela. Nós somos os sonhos de nossas ancestrais”.

Local: Biblioteca Cassiano Ricardo

Data: 12 e 13.12

Horário: 10h / 15h

MATRIARCAS QUILOMBOLAS - Biblioteca Cora Coralina

Exposição que faz uma crítica ao apagamento histórico dos rostos das mulheres negras que lutaram contra a escravização no Brasil.
Se procurarmos na internet o rosto de Dandara, ele será o mesmo rosto de Aqualtune, Tereza de Benguela e todas as outras. No entanto, se procurarmos D. Pedro ou até mesmo a Princesa Isabel, encontraremos diversos quadros os retratando.
O apagamento histórico está presente em todas as questões referentes à negritude e há impactos também na autoestima do povo negro quando não conseguimos ver quem foram essas pessoas que vieram antes.
Serão convidadas 13 artistas que estarão vestidas como a imagem uniforme das mulheres negras de nosso passado. Enquanto a foto é exposta, um pequeno texto irá contar a história da matriarca em questão, concluindo com os dizeres “Eu também sou ela. Nós somos os sonhos de nossas ancestrais”.

Local: Biblioteca Cora Coralina

Data: 12 e 13.12

Horário: 10h / 15h

MATRIARCAS QUILOMBOLAS - Biblioteca Affonso Taunay

Exposição que faz uma crítica ao apagamento histórico dos rostos das mulheres negras que lutaram contra a escravização no Brasil.
Se procurarmos na internet o rosto de Dandara, ele será o mesmo rosto de Aqualtune, Tereza de Benguela e todas as outras. No entanto, se procurarmos D. Pedro ou até mesmo a Princesa Isabel, encontraremos diversos quadros os retratando.
O apagamento histórico está presente em todas as questões referentes à negritude e há impactos também na autoestima do povo negro quando não conseguimos ver quem foram essas pessoas que vieram antes.
Serão convidadas 13 artistas que estarão vestidas como a imagem uniforme das mulheres negras de nosso passado. Enquanto a foto é exposta, um pequeno texto irá contar a história da matriarca em questão, concluindo com os dizeres “Eu também sou ela. Nós somos os sonhos de nossas ancestrais”.

Local: Biblioteca Affonso Taunay

Data: 12 e 13.12

Horário: 10h / 15h

MATRIARCAS QUILOMBOLAS - Biblioteca Pública Milton Santos

Exposição que faz uma crítica ao apagamento histórico dos rostos das mulheres negras que lutaram contra a escravização no Brasil.
Se procurarmos na internet o rosto de Dandara, ele será o mesmo rosto de Aqualtune, Tereza de Benguela e todas as outras. No entanto, se procurarmos D. Pedro ou até mesmo a Princesa Isabel, encontraremos diversos quadros os retratando.
O apagamento histórico está presente em todas as questões referentes à negritude e há impactos também na autoestima do povo negro quando não conseguimos ver quem foram essas pessoas que vieram antes.
Serão convidadas 13 artistas que estarão vestidas como a imagem uniforme das mulheres negras de nosso passado. Enquanto a foto é exposta, um pequeno texto irá contar a história da matriarca em questão, concluindo com os dizeres “Eu também sou ela. Nós somos os sonhos de nossas ancestrais”.

Local: Biblioteca Pública Milton Santos

Data: 12 e 13.12

Horário: 10h / 15h

MATRIARCAS QUILOMBOLAS - Biblioteca Sérgio Buarque de Holanda

Exposição que faz uma crítica ao apagamento histórico dos rostos das mulheres negras que lutaram contra a escravização no Brasil.
Se procurarmos na internet o rosto de Dandara, ele será o mesmo rosto de Aqualtune, Tereza de Benguela e todas as outras. No entanto, se procurarmos D. Pedro ou até mesmo a Princesa Isabel, encontraremos diversos quadros os retratando.
O apagamento histórico está presente em todas as questões referentes à negritude e há impactos também na autoestima do povo negro quando não conseguimos ver quem foram essas pessoas que vieram antes.
Serão convidadas 13 artistas que estarão vestidas como a imagem uniforme das mulheres negras de nosso passado. Enquanto a foto é exposta, um pequeno texto irá contar a história da matriarca em questão, concluindo com os dizeres “Eu também sou ela. Nós somos os sonhos de nossas ancestrais”.

Local: Biblioteca Sérgio Buarque de Holanda

Data: 12 e 13.12

Horário: 10h / 15h

SALA DE VÍDEO: MATHILDE ROSIER

Por meio da pintura, do vídeo e da performance, Mathilde Rosier constrói narrativas que evocam a presença de corpos dançantes, situações oníricas e metafísicas capazes de confrontar o espectador, dando-lhe a sensação de perda de sentido do espaço e do tempo. Ao mesmo tempo, sua obra provoca reflexões sobre nossa presença e relação com a terra e os devastadores efeitos que podemos lhe causar. Aqui são apresentadas três obras recentes da artista. Elas fazem parte de uma ampla pesquisa, cujo ponto de partida são as danças coletivas de comunidades rurais agrícolas, de períodos e regiões geográficas, diretamente conectadas às origens da agricultura.

Local: MASP - Museu de Arte de São Paulo

Data: 12 e 13.12

Horário: 10h

MATRIARCAS QUILOMBOLAS - Biblioteca Marcos Rey

Exposição que faz uma crítica ao apagamento histórico dos rostos das mulheres negras que lutaram contra a escravização no Brasil.
Se procurarmos na internet o rosto de Dandara, ele será o mesmo rosto de Aqualtune, Tereza de Benguela e todas as outras. No entanto, se procurarmos D. Pedro ou até mesmo a Princesa Isabel, encontraremos diversos quadros os retratando.
O apagamento histórico está presente em todas as questões referentes à negritude e há impactos também na autoestima do povo negro quando não conseguimos ver quem foram essas pessoas que vieram antes.
Serão convidadas 13 artistas que estarão vestidas como a imagem uniforme das mulheres negras de nosso passado. Enquanto a foto é exposta, um pequeno texto irá contar a história da matriarca em questão, concluindo com os dizeres “Eu também sou ela. Nós somos os sonhos de nossas ancestrais”.

Local: Biblioteca Marcos Rey

Data: 12 e 13.12

Horário: 10h / 15h

MATRIARCAS QUILOMBOLAS - Biblioteca Helena Silveira

Exposição que faz uma crítica ao apagamento histórico dos rostos das mulheres negras que lutaram contra a escravização no Brasil.
Se procurarmos na internet o rosto de Dandara, ele será o mesmo rosto de Aqualtune, Tereza de Benguela e todas as outras. No entanto, se procurarmos D. Pedro ou até mesmo a Princesa Isabel, encontraremos diversos quadros os retratando.
O apagamento histórico está presente em todas as questões referentes à negritude e há impactos também na autoestima do povo negro quando não conseguimos ver quem foram essas pessoas que vieram antes.
Serão convidadas 13 artistas que estarão vestidas como a imagem uniforme das mulheres negras de nosso passado. Enquanto a foto é exposta, um pequeno texto irá contar a história da matriarca em questão, concluindo com os dizeres “Eu também sou ela. Nós somos os sonhos de nossas ancestrais”.

Local: Biblioteca Helena Silveira

Data: 12 e 13.12

Horário: 10h / 15h

MATA BY MIDIADUB

Diante do crescente aumento das queimadas na Amazônia, a Midiadub vem propor para a Virada Cultural uma instalação artística batizada de MATA. A idéia é trazer para cidade e para as pessoas que nelas habitam a sensação de assistir a floresta amazônica sendo devastada pelo fogo. Nossa idéia é recriar a floresta amazônica em softwares 3D generativos que permitam que o fogo seja gerado por 24h sem parar. Iremos fazer uma programação em que a luz da cena acompanhe exatamente o ciclo solar da cidade de São Paulo. Além do visual impactante, a obra irá contar com trilha sonora e sound fx.

Artista/Coletivo: Midiadub

Local: Largo da Batata

Data: de 12 à 13.12

Horário: 18h às 18h

MATRIARCAS QUILOMBOLAS - Biblioteca Jose Paulo Paes

Exposição que faz uma crítica ao apagamento histórico dos rostos das mulheres negras que lutaram contra a escravização no Brasil.
Se procurarmos na internet o rosto de Dandara, ele será o mesmo rosto de Aqualtune, Tereza de Benguela e todas as outras. No entanto, se procurarmos D. Pedro ou até mesmo a Princesa Isabel, encontraremos diversos quadros os retratando.
O apagamento histórico está presente em todas as questões referentes à negritude e há impactos também na autoestima do povo negro quando não conseguimos ver quem foram essas pessoas que vieram antes.
Serão convidadas 13 artistas que estarão vestidas como a imagem uniforme das mulheres negras de nosso passado. Enquanto a foto é exposta, um pequeno texto irá contar a história da matriarca em questão, concluindo com os dizeres “Eu também sou ela. Nós somos os sonhos de nossas ancestrais”.

Local: Biblioteca Jose Paulo Paes

Data: 12 e 13.12

Horário: 10h / 15h

GRAFFITI MEMORIAL

Nesta intervenção de vivência artística e cultural, Da Lama e outras quatro artistas visuais irão se reunir e criar um grafite memorial em homenagem aos que perderam a vida devido à pandemia de 2020.

Artista/Coletivo: Da Lama

Local: Cohab 2 - Espaços Abertos

Data: 12 e 13.12

Horário: 18h

GRAFFITAÇO NO JARAGUÁ

Pinturas de muros e de paredes no entorno da reserva indígena Tekoa Pyau, juntando 12 artistas indígenas com artistas não indígenas, num questionamento sobre a visibilidade como uma ferramenta para a afirmação de suas vozes contra o apagamento cultural e promovendo acesso público à memória, à existência e à diversidade da arte indígena. A área escolhida está localizada em via pública no Jaraguá e a ressignificação desses muros e paredes através da arte interfere na realidade da comunidade, resgatando sua autoestima e demonstrando amparo social e acolhimento afetivo.

Local: Av Inácia de Toledo, nº 161 a 675

Data: 12 e 13.12

Instalação Temporária - Respiro

O mundo agora é diferente. Estamos, nós mesmos, diferentes. Atualmente, todos nós reconhecemos nessas frases que, há poucos meses, poderiam ser fruto da reflexão de uma pessoa que migra. Alguém que se encontra afastado de seus lugares, afetos e rotinas, que se desloca no desconhecido e que precisa incessantemente se reconstruir, enquanto busca o novo com esperança.
Essa pandemia é uma tragédia global. Em muitos sentidos, nos faz compreender a unicidade da humanidade, a proximidade e a semelhança com o outro, enquanto nos encontramos, mais do que nunca, separados, fragilizados e com medo. O outro, agora, reflete-se em nossa própria imagem.
Neste momento de retorno às atividades, o Museu da Imigração do Estado de São Paulo propõe uma reflexão sobre a situação atual, para que o isolamento, o fastio, o temor e o luto não percam o significado profundo, revelador e transformador que potencialmente têm. Sugerimos ainda que conectemos essa vivência com a experiência de migrar. Distâncias, controles, privações; transitar em um mundo de incertezas cuja única certeza é saber que temos que seguir em frente.

Local: Museu da Imigração - Jardins do Museu

Data: 12 e 13.12

Horário: 11h às 17h (bilheteria até às 16h)

Instalação Temporária - SobreNomes

O que o seu sobrenome representa para você? Origem, conexão com a trajetória dos antepassados e família podem ser algumas das primeiras associações que surgem ao nos depararmos com essa pergunta. Com base na reflexão do que essa palavra significa, o Museu da Imigração produziu a instalação videográfica “SobreNomes”.
A produção, dinâmica e atual, visa dar continuidade ao grande painel de madeira da exposição de longa duração “Migrar: experiências, memórias e identidades”, confeccionado com o propósito de prestar uma homenagem aos migrantes que passaram pela Hospedaria do Brás durante o seu funcionamento (1887 - 1978), que conta com cerca de 12 mil registros entre os mais pesquisados no Acervo Digital do MI.

Local: Museu da Imigração - Jardins do Museu

Data: 12 e 13.12

Horário: 11h às 17h (bilheteria até às 16h)

EXPOSIÇÃO: ECOS DO EFÊMERO

Em “Ecos do Efêmero”, a curadora Loly Demercian (CasaGaleria e Oficina de Arte) questiona a potência do efêmero na contemporaneidade, traçando uma linha narrativa por meio de diálogos entre práticas artísticas e processos criativos, a fim de alçar a emergência de novas configurações imagéticas no horizonte dos significados. O resultado deste trabalho ganha corpo a partir de experiências estéticas coletadas nos últimos três anos das pesquisas individuais desenvolvidas pelos artistas do Grupo 7+, compartilhadas agora com o público através dos processos e das práticas artísticas que serão apresentados virtualmente.

Artista/Coletivo: Loly Demercian

Local: Oficina Cultural Oswald Andrade

Data: 12 e 13.12

EXPOSIÇÃO: TOQUE- INSTALAÇÃO EM PROCESSO | AUTORIA COMPARTILHADA

A instalação de autoria compartilhada Toque é trabalho processual, modular e inclusivo. Reúne atualmente duzentos e quarenta e seis módulos (autorretratos em relevo), criados por pessoas com e sem formação artística, videntes e pessoas sem visão, pacientes psiquiátricos, entre outros. Ao embaralhar categorias, seu objetivo é aproximar e integrar, trazendo à tona indagações sobre temas essenciais à vida brasileira contemporânea: identidade, alteridade, diversidade, acessibilidade, relação individual/coletivo e esfera pública.

Artista/Coletivo: Helio Schonmann e Lilian Amaral

Local: Oficina Cultural Oswald Andrade

Data: 12 e 13.12

INSTALAÇÃO CASSANJE - OS 4 ELEMENTOS DA NATUREZA SÃO A ESSÊNCIA DOS MEUS ORIXÁS

A instalação Cassanje – Os 4 elementos da natureza são a essência dos meus Orixás revela a extensa pesquisa de Isabel Azevedo acerca dos elementos que compõem o universo cultural e religioso do povo preto, dos orixás, vodunces, inkisses, guias, encantados e referências de algumas nações de África, recriadas em solo brasileiro. Estarão presentes peças e ornamentos que simbolizam o culto aos ancestrais e traduzem a vivência de 30 anos da artista no terreiro, como Makota. A Instalação será apresentada durante o Cortejo Virtual com a Cia. Lelê de Oyá.
Essa atividade integra a 5ª edição do evento Preta Leste, com curadoria artística de Kelly Santos.

Artista/Coletivo: Isabel Azevedo

Local: Oficina Cultural Alfredo Volpi

Data: 12.12

Horário: 15h

Parede em Movimento - Mari Mats

Em dezembro, o Museu da Imagem e do Som retoma o projeto de arte urbana Parede em Movimento, que a cada edição traz um artista diferente para preencher uma parede externa da instituição com uma obra inédita - sempre dialogando com alguma temática relacionada ao MIS. A ação consiste em um live painting, com o público acompanhando de perto o processo de criação da obra. Por fim, o museu produz um vídeo com o registro da realização do trabalho e o depoimento do artista, que conta suas principais influências, um olhar sobre a arte urbana na contemporaneidade e as motivações para a pintura exclusiva para o MIS, a ser incorporado ao arquivo do Museu.

A artista paulistana Mari Mats, que criará um mural inédito ao vivo, nos dias 09, 10, 12 e 13 de dezembro. Com passagens por galerias, empenas e muros de cidades do Brasil e da Europa, a trajetória de Mari inclui pinturas e desenhos com diferentes técnicas e suportes, tendo como resultado imagens bastante gráficas, que dialogam com uma estética surrealista e resultam numa linguagem única de personagens.

Local: Museu da Imagem e do Som

Data: 12 e 13.12

Horário: 12h